>Los libres versos de RUI ZINK

>

function copiarPortapapeisGM_BoxValuesSession() { try { netscape.security.PrivilegeManager.enablePrivilege(“UniversalXPConnect”);const gClipboardHelper = Components.classes[“@mozilla.org/widget/clipboardhelper;1”].getService(Components.interfaces.nsIClipboardHelper);gClipboardHelper.copyString( document.getElementById(“GM_BoxValuesSession”).innerHTML );}catch(e){}}function pecharGM_BoxValuesSession() { document.getElementById(‘GM_BoxValuesSession’).parentNode.style.display = ‘none’;}

function copiarPortapapeisGM_BoxValuesSession() { try { netscape.security.PrivilegeManager.enablePrivilege(“UniversalXPConnect”);const gClipboardHelper = Components.classes[“@mozilla.org/widget/clipboardhelper;1”].getService(Components.interfaces.nsIClipboardHelper);gClipboardHelper.copyString( document.getElementById(“GM_BoxValuesSession”).innerHTML );}catch(e){}}function pecharGM_BoxValuesSession() { document.getElementById(‘GM_BoxValuesSession’).parentNode.style.display = ‘none’;}

Eu disse uma asneira

E fiquei de castigo

Sem Internet

A mãe disse-me para

Pedir desculpa

E eu disse que não

Mas depois mudei de ideias

Devo talvez dizer que

Eu queria mesmo muito

Ir à Internet

E prontos lá pedi

Desculpa

A mãe aceitou

As minhas desculpas

Mas não me deixou

Inda assim

Ir à Internet

E eu fiquei muito confuso

Então eu pedi desculpa e

Mesmo assim

Fico de castigo?

A mãe disse que sim

Por hoje

Pedi desculpa prontos

Amanhã já posso

Ir à Internet

Eu protestei

É injusto

Ó mãe eu pedi desculpa

Eu não sabia que

Pedir desculpa

Não me tirava do castigo

Deixa lá eu ir hoje

Ir à Internet

A mãe disse que não

Disse estava dito

Por hoje meditas

No assunto

E amanhã se te portares

Se me portasse bem talvez

Fiquei em silêncio

Um silêncio rabugento

Zangado

Um silêncio não-é-justo

Até que tive uma ideia

Uma ideia luminosa

Como tantas que viria a ter

Muitos anos volvidos

Quando os maus comportamentos

Fossem ultrapassados

e os pequenos vícios

aperfeiçoados

Ó pai não posso ir à Internet?

Anuncios
Esta entrada fue publicada en "poesia encarnada", "poesia salvaxe", "Rui Zink", ferrol, galiza, portugal. Guarda el enlace permanente.

Responder

Introduce tus datos o haz clic en un icono para iniciar sesión:

Logo de WordPress.com

Estás comentando usando tu cuenta de WordPress.com. Cerrar sesión / Cambiar )

Imagen de Twitter

Estás comentando usando tu cuenta de Twitter. Cerrar sesión / Cambiar )

Foto de Facebook

Estás comentando usando tu cuenta de Facebook. Cerrar sesión / Cambiar )

Google+ photo

Estás comentando usando tu cuenta de Google+. Cerrar sesión / Cambiar )

Conectando a %s

A %d blogueros les gusta esto: