>LINGUA DE GATA, en GATO VADIO

>

(VALENTINA Y SU GATA)
de Souza Prabhu
Não, não vou
cavar bem fundo e descobrir
que sou de facto de Souza Prabhu
mesmo que Prabhu não fosse tolo
e tivesse tido o melhor dos mundos.
(Brâmane católico!
Ouço ainda a sua risada gorda)
Não interessa que
o meu nome seja grego
o meu apelido português
a minha língua estranha.
Há sempre formas
de pertença.
Eu pertenço aos patos feios.
Ouvi dizer
que os meus pais queriam um filho.
Fiz o que pude para estar à altura.
Escondi as manchas de sangue
na minha roupa
e deixei que os meus seios descaíssem.
As palavras a arma
para crucificar.
Anuncios
Esta entrada fue publicada en "2º semana de poesia salvaxe", "eunice de sousa", "gatovadio", "poemas visuales", porto, portugal. oporto. Guarda el enlace permanente.

Responder

Introduce tus datos o haz clic en un icono para iniciar sesión:

Logo de WordPress.com

Estás comentando usando tu cuenta de WordPress.com. Cerrar sesión / Cambiar )

Imagen de Twitter

Estás comentando usando tu cuenta de Twitter. Cerrar sesión / Cambiar )

Foto de Facebook

Estás comentando usando tu cuenta de Facebook. Cerrar sesión / Cambiar )

Google+ photo

Estás comentando usando tu cuenta de Google+. Cerrar sesión / Cambiar )

Conectando a %s